A fantástica narrativa de Give Up, I’m Not Into You que serve como segundo capítulo do conceito crítico criado por Carmen

0
68

A identidade artística da Carmen faz seus ouvintes dançarem ao som de suas desilusões desde o primeiro álbum, Youth Culture, e agora também os faz testemunhar uma trama original que acompanha seu segundo disco, Talk Too Much. Enquanto o primeiro single, Meeks, apresentou para o público uma realidade de um universo não tão paralelo assim, Give Up, I’m Not Into You possui a missão de continuar a história.

Cercados pelo mecanismo da sociedade representado pela empresa Peer Pressure, que envolve esquecer de seus verdadeiros objetivos para se encaixar em uma maneira de viver aceitável, Matheus, Lucas, Jairo e João começam Give Up, I’m Not Into You do ponto em que Meeks parou: com o considerado rebelde, que agora também é herói, tentando salvar seus amigos de uma vida sem muitas expectativas.

Leia também: Carmen transforma o mecanismo da sociedade em conceito com Meeks

O vídeo não é apenas o melhor clipe da Carmen, mas também a definição prática de um fantástico storytelling. A noção da direção, de encaixe da canção com o que está sendo passado no vídeo é cativante até para os que não se importam com os detalhes, ou estão apenas procurando um momento de entretenimento com uma música que acabou de descobrir. A história do álbum poderia ser associada a um livro de ficção científica, lançado um capítulo por vez. Mas após os eventos de Give Up, I’m Not Into You, uma comparação com histórias em quadrinhos seria mais interessante e divertida – assim como o clipe.

Give Up, I’m Not Into You é definitivamente a música mais bem produzida da Carmen. Ela não participa do esteriótipo indie, mas cria o seu próprio ritmo com a mistura de vários gêneros. A composição, assim como as anteriores, continua abstrata para o público, e pode ser moldada de acordo com cada ouvinte para se transformar naquilo que deseja ouvir e relacionar com suas próprias vivências.

O cuidado da Carmen em criar todo um universo fictício e colocar um conceito inteligente, que pode ser visto como crítica social, nos mínimos detalhes de um clipe independente é o que a diferencia de outros artistas, e também o que prova que ela irá mais longe, pelo simples fato de almejar isso. Give Up, I’m Not Into You é ótima sozinha, mas a narrativa do clipe conversa com os fãs da banda e captura qualquer um que venha a abrir o vídeo por curiosidade – e tais pessoas certamente permanecerão na Peer Pressure para acompanhar os próximos capítulos.