Um Chá com The Shades: O grupo comentou a turnê com The Tide, amor pelos fãs e curiosidade sobre seu primeiro single

1
86

Em uma indústria atual que possui artistas que surgem basicamente de programas televisivos já montados para serem exatamente algo pronto, algumas exceções ainda tentam o maravilhoso e natural caminho de covers no YouTube para se sobressaírem e conquistarem um espaço. É o caso de The Shades, que com quatro anos de grupo, alguns covers e muitos fãs, conquistaram um contrato com uma gravadora britânica para criarem seu próprio álbum. Aproveitamos a oportunidade de falar com a banda para comentar, na primeira parte da entrevista, o primeiro single, “24 Hours a Day“, que será lançado em 26 de Maio. Conversamos também sobre a nova fase do grupo, curiosidades, The Tide, New Hope Club, e até mesmo uma curiosidade engraçada sobre a faixa que ninguém sabe ainda!

The Shades! Vocês eram chamados “Twenty 4 Seven”, certo? Por que a mudança? O que o novo nome simboliza na sua carreira?
Bem, nós escolhemos ser “Twenty 4 Seven” quando nos conhecemos porque precisávamos de um nome para o nosso canal no YouTube e esse foi o único em que todos concordaram. Escolher um nome é MUITO difícil! Alguns nomes um de nós amou e o resto odiou e outros dois de nós amaram e os outros dois odiaram, mas com “Twenty 4 Seven” pensamos… “É, esse está bom”. Nenhum de nós amou ele mas também nenhum de nós odiou. Então quando assinamos nosso contrato para desenvolver nosso álbum, a gravadora queria que mudássemos nosso nome por questões legais; você não pode patentear “Twenty 4 Seven” porque é uma gíria na Inglaterra, então quando nós terminamos nosso álbum escolhemos “The Shades” que todos nós amamos. A mudança do nome foi muito importante para nós porque marcou um momento importante tendo passado um ano apenas escrevendo e não podendo mostrar nenhuma música para ninguém para o outro momento onde todos estavam felizes com o nosso som e música e prontos para mostrar aos fãs.

Recentemente vocês entraram em turnê com The Tide. Foi sua primeira experiência em uma turnê? Como foi?
A turnê com The Tide foi nossa primeira experiência real em fazer shows juntos como The Shades. Foi uma grande experiência não apenas porque The Tide são ótimos caras e foi incrível passar um tempo com eles, mas também seus fãs são MALUCOS! Seus fãs são tão divertidos e muitos deles ainda nos acompanham. New Hope Club tocou o primeiro show com a gente e eles são ótimos. A turnê inteira foi muito divertida e nós não podemos esperar para fazer mais shows.

Vocês pretendem continuar no mesmo caminho dos seus companheiros de turnê, e talvez abrir alguma turnê mundial?
Sim, com certeza. Agora estamos prontos para divulgar algumas de nossas próprias músicas, ao invés de apenas covers. Queremos fazer o máximo de shows possíveis porque nada é melhor do que ver os fãs cara a cara e conhecê-los. Nós amamos tocar ao vivo, é a razão que nos fez querer ser músicos e todos estão reagindo de uma maneira tão boa até agora. Então esperançosamente nós vamos fazer mais e mais e vamos estar em uma turnê pelo mundo o quanto antes! haha

Aqui no Chá das Onze, nós tentamos apoiar o máximo possível os artistas que começam com covers, e os seus são muito bons. Eu amo eles! Como é o processo de escolha das músicas e, quando necessário, mudança de ritmo?
Aww obrigado. Bem, nós amamos todos os tipos de música, então a primeira coisa e mais importante é que nós amamos todas as músicas que fazemos covers. Temos um amplo gosto musical entre nós então encontrar uma música normalmente não é difícil. O próximo passo é aprender a tocar como na versão original e enquanto fazemos isso e dividimos as partes (porque temos três cantores principais) normalmente o estilo muda bem facilmente. Então Mike coloca algumas coisas interessantes no ritmo e isso nos guia para um novo estilo. Nós tentamos não passar muito tempo nelas e se sentimos que não está dando certo em 30 minutos nós normalmente paramos e tentamos uma outra música.

Mesmo com apenas covers, notei em seu twitter que vocês já possuem uma fã base muito grande. Mundialmente, tem algum lugar onde vocês estejam curiosos para visitar apenas pelas mensagens que recebem dos fãs nas redes sociais?
Nós não conseguimos acreditar no apoio que estamos recebendo dos nossos fãs no Twitter e nas redes sociais em geral. Nossos fãs literalmente nos criaram. Quando eles retweetam nossas mensagens, os chefes das gravadoras percebem e foi isso o que gerou nosso contrato em primeiro lugar. Nós realmente sabemos de todos os nossos fãs dedicados; não podemos responder muito eles o tempo todo mas lemos tudo o que conseguimos e eles são simplesmente muito importantes para nós. Dizer algum lugar onde queremos ir para visitar nossos fãs seria impossível. Eles abriram nosso mundo em tantas possibilidades e queremos ver todos eles. Europa é nossa casa mas claro que a América do Sul seria épica e nós temos ótimos fãs no leste da Ásia – um deles viajou do Japão para nos ver em nosso primeiro show em Londres! Isso é incrível!

Vimos muitos de seus covers na internet, mas como você pode definir sua identidade pessoal como uma banda, aquela que não conhecemos ainda?
É realmente interessante porque nós acreditamos que nossos novos covers refletem mais e mais do nosso próprio estilo, mas também, estamos juntos por dois anos e nosso estilo tem mudado até mesmo naquela época. No momento, estamos com um som bem contemporâneo que vai apelar para nosso público mais jovem mas nossas composições e letras tendem a ter referências antigas dos anos 60 com alguns elementos contemporâneos do indie rock… Mesmo nós não sendo realmente indie rock. haha

O quão animados vocês estão para mostrar ao seu público sua própria música, em 26 de Maio?
Nós não podemos esperar. Estamos tão animados para lançar “24 Hours a Day”. Significa que podemos começar a fazer shows e conhecer mais fãs tanto quanto começar a ficarmos prontos para os lançamentos das próximas músicas… É apenas o começo e estamos tão animados! 😀

Como foi o processo de composição de “24 Hours a Day”?
“24 Hours a Day” foi uma das primeiras músicas que escrevemos com nosso produtor Lee McCutcheon no Metrophonic Studio. Foi muito empolgante porque quando ficou pronta todos nós ficamos meio “SIM, é isso, esse é o som!”. Então é engraçado que é a primeira música a ser lançada porque na verdade é a primeira na história e nós escrevemos mais de 200 músicas desde então.

Por fim, ainda sobre o primeiro single: Nos conte uma curiosidade sobre ele que não foi revelada ainda!
Tem uma parte da letra em “24 Hours a Day” que significa coisas diferentes para todos nós. Nós não sabíamos que tínhamos diferentes ideias sobre o que significava até quase três meses depois de gravarmos, todos nós achávamos que significava a mesma coisa! haha a parte é “Cars and busses, don’t know what love is” (Carros e ônibus, não sabem o que é o amor). É uma letra engraçada que pode ser interpretada de vários jeitos diferentes quando você escuta a música.

A segunda parte da entrevista foi lançada em vídeo, confira abaixo – e após assistir, não deixe de adicionar “24 Hours a Day” na sua playlist!


  • mareana soares

    Que entrevista adorável, eu já tinha ouvido falar do twenty 4 seven já até tinha visto alguns covers mas the shades é muito novo pra mim adorei a nova música estou esperando ansiosamente pela segunda parte ??