Apresentações no SNL provam que Harry Styles está mais do que pronto para exercer sua nova versão artística

3
95

O momento de transição de alguém acostumado a estar em um grupo para a carreira solo deve ser extremamente difícil, principalmente nesse caso. Harry Styles cresceu à sombra do nome de uma boyband e com certeza tentou criar uma personalidade que fosse além desse nome. Enquanto o público acompanhava sua vida e amadurecimento, “Harry Styles do One Direction” era apenas isso, parte de alguma coisa maior. Esse acontecimento não é algo errado, é genuinamente comum, afinal o nome que deveria aparecer era o do grupo e não os cinco individuais. Porém, algumas reviravoltas aconteceram na carreira em conjunto, levando à transformação de carreiras solo. Aquele medo que o cantor certamente sentiu, assim como todos os outros que fazem parte de bandas, de crescer e ser lembrado apenas por isso, se tornou algo maior. Se já é difícil construir uma imagem dentro do grupo, imagina fora dele.

Leia também: A ridicularização das vidas pessoais dos artistas através da criação de falsos casais dentro dos grupos

Muitos podem achar que é algo natural, “o que a pessoa é em um lugar será em todos“. Em alguns casos essa afirmação pode funcionar, porém não dessa vez. Muitos músicos admiram um certo estilo musical e criam outro completamente diferente, principalmente em grupos. Isso não significa que eles sejam falsos ou mentirosos, mas sim que entraram em um consenso. Obviamente, isso se aplica aos artistas, aqueles verdadeiros, que por mais que contratos imponham coisas absurdas e pouca liberdade, conseguem dar um jeito de expressar um pouco de si em um espaço onde a expressão pessoal não é bem aceita. Esse é o caso de Harry Styles.

O cantor que estava acostumado a subir aos palcos para milhares de pessoas e cantar músicas completamente populares apresentou uma nova versão de si mesmo nas apresentações de “Sign of the Times” e “Ever Since New York” no Saturday Night Live. Sua nova expressão artística é absolutamente clássica e pura, sendo uma clara mistura de David Bowie Queen com um quê de Mick Jagger. É praticamente como se Styles houvesse nascido na época errada – e felizmente.

Imagem relacionada

Seus gestos, expressões e vestuário completaram a apresentação do artista solo que se tornou. Ainda sem álbum lançado, Harry conseguiu mostrar seu objetivo musical em apenas duas músicas, que provavelmente irão se estender da maneira mais clássica possível por todo o álbum.

O que pode ser visto como um passa tempo enquanto o grupo não volta, eu enxergo como oportunidade. Uma grande forma de mostrar a um novo público seu objetivo pessoal, que pode ter vindo como consequência de uma banda anterior, mas que sem dúvidas está dando certo pelo mérito de apenas uma pessoa. Confesso que há muito tempo aposto na carreira solo do cantor, e agora posso afirmar com certeza que, se alguém tem potencial para criar uma forma artística completa que vai além de CDs, singles e que abrange performances com personalidade, esse alguém é Harry Styles.

https://www.youtube.com/watch?v=L8JWeesN5So

https://www.youtube.com/watch?v=Aruv2nBqCBM

  • Ludmila Costa

    Amei!

  • Ali

    Muito bom ! Falou tudo ?