O polêmico modo Justin Bieber de “educar” seus fãs que deveria ser usado por todos os artistas

3
49

A vida de Justin Bieber é movida por polêmicas, sendo que a maior parte delas envolve seus fãs. As atitudes do cantor para com seus admiradores criam comentários e opiniões diversas, na maioria das vezes críticas e julgamentos fortes, como se toda uma população de repente se tornasse juízes da boa conduta. Mas se você parar para analisar quem realmente quer chamar atenção com todas essas supostas polêmicas, vai entender que Justin Bieber é o último nome da lista.

O cantor que tem milhares de fãs sempre fez pacotes de Meet and Greet em seus shows, promoveu concursos culturais e utilizou as redes sociais, tudo para ficar mais próximo de seus admiradores, então do dia para a noite ele desiste desse contato, revela que não irá mais tirar fotos – muito menos fazer pacotes, manda o público ficar quieto em seu show, recusa presentes e, por último, agride um suposto fã com um soco no rosto. Ruim? Péssimo? Pois é. Mas agora, coloque-se em tal lugar: Você tem 22 anos, trabalha muito para escrever, produzir e gravar músicas muito bem feitas. Após isso, você inicia uma turnê com uma estrutura gigantesca e viaja o mundo inteiro. E claro, tudo isso principalmente pelos seus fãs, que compram seu trabalho, ingressos, e apoiam na divulgação. Então você resolve ir até eles, falar um “Obrigado!” nas redes sociais, e o que você recebe em troca é um “Me siga de volta”. Você tenta de outra forma, em um show, e tudo o que dá para escutar são gritos porque ninguém deixa você falar. Mas você não desiste, tenta pessoalmente, em uma loja, na rua, outro lugar, e é recebido por centenas de pessoas que estão olhando para você através de uma tela de celular e não estão interessados no que você tem para falar, apenas em suas preciosas fotos para o instagram. Se você tivesse muito a oferecer, mas tudo o que milhares de pessoas quisessem fosse apenas fotos e vídeos, como se sentiria?

Leia também: O Justin Bieber que irá desembarcar no Brasil com a ‘Purpose World Tour’ é o mesmo que você conhece?

Essa é a principal questão: Quem disse que para ser fã você deve gritar e se desesperar quando vê outra pessoa tão normal quanto você? A única diferença entre cada um aqui e Justin Bieber é que ele desejava passar uma mensagem através de suas músicas, e conseguiu. É o que ele faz, é seu trabalho. Isso não o torna especial. Isso não faz com que ele seja superior. E é exatamente isso que ele mesmo está tentando passar para seus fãs, a ideia de que ele é um ser humano normal como qualquer outro, e que quando você o encontrar na rua, apenas diga “Oi” e não jogue um celular em seu rosto como se ele fosse um “animal de zoológico“.

Milhares de pessoas gritando e correndo atrás de um automóvel por conta de um artista, seja ele qual for, assim como puxar, agarrar, tentar beijar à força, ou por que não, praticamente entrar em um carro que está em movimento apenas para encostar em uma pessoa. Se você acha que isso tudo é normal, está errado! Aparentemente é interessante todos esses exemplos, uma forma de demonstração de afeto, de querer estar próximo, de chegar em casa e correr para o twitter falar “Conquistei minha meta de vida, encostei no meu artista favorito“. E claro, pode parecer uma vida e tanto essa do artista, viver cercado de pessoas que fariam tudo por você. Mas dá para imaginar como seria sair de casa sem estar cercado de gritos e celulares não podendo dizer quais atitudes aprova ou não?

É muito fácil observar apenas um lado, e defendê-lo com todas as forças mesmo sem ao menos olhar para o outro. Dizer que o artista deve fazer tudo o que seus fãs querem, ou então é uma péssima pessoa. “Se alguém não escutar o que você diz, e ficar gritando enquanto você fala, sorria.” “Se não trocarem uma palavra com você e só quiserem fotos, sorria.” “Se alguém se jogar para dentro de seu carro enquanto ele está em movimento, tentando encostar em você sem o seu consentimento, sorria.“. Mas imagine os defensores da tal “constituição do artista que ama seu fã” observando a situação (do carro, ou qualquer outra) acontecer com uma pessoa que não é famosa: “Um desconhecido praticamente entra para dentro de seu automóvel, enquanto ele está se movimentando.”. Duvido que alguém defenderia o desconhecido.

O modo como Bieber está “educando” seus fãs pode até ser um tanto quanto agressivo, afinal ele resolveu dizer do que gosta e do que não gosta muito subitamente – levando centenas de críticas a serem postadas na internet. Porém, não podemos negar que está funcionando. Ele já foi visto conversando e abraçando fãs em bares, filas, estacionamentos, porque todos estão mais “calmos” e aprendendo a olhar para os dois lados. E sim, acredito que todos os artistas devessem fazer isso, criar esse contato com os fãs que é mais forte do que qualquer foto, follow, ou vídeo. Provar que são pessoas de verdade ao invés de se esconderem atrás do discurso de que “todos somos seres humanos”.

Errado não é o Justin Bieber, nem seus fãs. Errada está essa cultura de que existe um ídolo em sua vida, um artista que é superior a todos os outros e que irá fazê-lo desmaiar se conhecer. Os fãs – não somente os de Bieber – deveriam compreender o por quê de ser fã, encontrar motivos, e o mais importante: apreciar o trabalho do artista antes dele mesmo, afinal ele não está vendendo sua imagem, mas sim sua arte. E o artista deveria se colocar em seu lugar, como uma simples pessoa normal que faz o que sonhou fazer. Se essa colaboração que Justin Bieber está propondo entre ele e seus admiradores acontecesse com todos os artistas e fãs, imagine como seria mais simples, fácil e acessível falar e conhecer uma pessoa que você admira. Para ser sincera, não entendo como alguém pode ser contra isso, mas aparentemente é mais fácil julgar as atitudes de alguém pelo simples fato desse alguém ser famoso do que analisar a situação e repensar seus próprios atos. Você pode não concordar com as atitudes de Justin Bieber, mas deve admitir que uma conversa e um abraço com certeza valem muito mais do que uma simples foto tremida no instagram.

  • Dhanny Lunna

    Fã que não respeita a privacidade, não demonstra amor, mas obsessão.

  • Flávia Xavier

    Arrasou, nesse texto vc me representa, ta aí tudo o que eu penso e acredito!

  • Isa Fernandes

    Nossa eu sou uma Belieber e esse texto é o que muitas de nós estamos tentando passar até mesmo para outros Beliebers que é aproveitar o momento e não jogar o celular na cara dele a fim de uma foto , e para os Haters que ele tem que aceitar tudo isso só por ser um artista como se fosse um robô , melhor texto sinceramente todos deveriam ler inclusive os leitores do POP LINE que se julgar juiz para criticar o Justin nos post do Pop Line .